segunda-feira, 21 de novembro de 2011

A UNIR do Fantástico: Jornalismo ou propaganda política eleitoral?


             O Estado de Rondônia figurou na mídia nacional de forma negativa no final de semana passado, foi como se estivéssemos vivendo um abril despedaçado ao aparecer nos principais noticiários da mídia nacional. Pois, além das notícias da Operação Termópilas que levou para cadeia o presidente da Assembléia Legislativa, deputado estadual Valter Araújo (PTB), mais outros sete deputados estaduais acusados de pertencer a um esquema de receber propinas, funcionários do governo estadual por tráfico de influência e servidores federais do Banco do Brasil por quebra de sigilo bancário. O programa de maior audiência da Rede Globo nas noites de domingo, mostrou uma "matéria" sobre a Universidade Federal de Rondônia (UNIR).
            Não é questão se posicionar a favor de A ou B, e nem muito menos, não se trata de fazer a defesa do atual reitor Januário Amaral ou de exaltar o movimento grevista que é legitimo em suas reivindicações. A questão é: Foi jornalismo ou programa político eleitoral? Diante da tal pergunta levantada, algumas coisas precisam ficar claras! Achei incríveis as cenas levadas ao ar do programa dominical Fantástico da Rede Globo abordando a greve de professores e alunos da UNIR, pois todos os docentes entrevistados são do grupo de oposição ao Reitor. Será que a globo não sabia disso? Por que não entrevistou os dois lados?
            Conhecendo bem a realidade dos municípios de Nova Mamoré e Guajará-Mirim, bem como da própria UNIR, a final, morei dois anos na fronteira e nunca deixei de manter os laços afetivos com o lugar, além é claro, de ser professor colaborador do campus da Unir de Guajará-Mirim. Assim, posso afirmar que não houve desvio de recursos na construção do Hotel Escola que está em Guajará-Mirim mostrado nas cenas da matéria jornalística. Ao contrário do que disse o Fantástico, ele não chegou a ser usado, pois é sabido, que o Ministério da Educação não autorizou a continuação do Curso de Administração em Gestão de Ecoturismo. Sendo assim, o não uso ocorreu por falta de planejamento do próprio Ministério da Educação e não por falta de alunos como foi vinculado. 


            Então é preciso reafirmar que houve maldade na matéria, especulação sem fundamentação dos fatos reais, pois a obra mostrada rapidamente no campus de Guajará-Mirim está em andamento, e não parada como insinuou a matéria. Pois recentemente, o próprio Instituto Federal de Rondônia (IFRO), quis fazer daquelas instalações, um Campus da instituição que é voltada para o ensino tecnológico, e mais uma vez, a burocracia do Ministério da Educação atrapalhou o processo e emperrou a coisa de andar normalmente, deixando de beneficiar quem vive na fronteira e deseja ter uma oportunidade de acesso ao ensino de qualidade e profissionalização, para então ingressar no mercado de trabalho.
            O absurdo maior na matéria ficou pela questão de explorar a imagem do "companheiro" do professor Januário. Uma forma de expor a vida pessoal do Reitor de forma preconceituosa, lavá-lo ao vexame e a exposição pública de sua intimidade. A Rede Globo que leva ao ar em seu horário nobre, ou seja, nos principais programas de audiências, o combate massivo aos atos de preconceitos impostos aos homossexuais, o que demonstrou na matéria jornalística do Fantástico expondo ao máximo a vida pessoal e intima do reitor, foi uma apologia a homofobia, ou seja, uma matéria jornalística cunho homofóbica. Entendam como quiser, mais entendo que foi uma apologia a homofobia e pronto! Indo de encontro ao que a Rede Globo prega em seus horários nobres de televisão.


             Pois chamo atenção para assistirem a matéria na internet e observarem que foi mostrada uma fotografia tirada num momento informal, onde propositalmente aparece o "companheiro" e ao fundo, quase como uma sombra, o professor Januário Amaral, que hora, exerce o cargo de reitor da Universidade de Rondônia, que a pouco mais de um ano, foi eleito com esmagadora votação de alunos, servidores e professores da UNIR. Assim, digo que não podemos ser ingênuos! Explorou-se sim, a homossexualidade do reitor como forma de coação e assédio. Quem não percebeu isso?
            Não entendo porque não mostraram as dificuldades da Unir enquanto Universidade interiorizada, que vem sendo sucateada por um governo Neoliberal disfarçado de socialista? Lembrando, que não é só a UNIR que esta vivendo a falta de recursos por parte do governo Federal, mais muitas outras espalhadas pelo país. Enfim, na minha experiência com propaganda eleitoral, vejo que as eleições de 2012 já estão fazendo efeito. Essa reportagem é a prova disso.  Não existe nenhuma diferença entre essa "matéria" e um programa político durante uma campanha. Aliás, o Fantástico encerra a matéria com a fala de um religioso pedindo apuração dos fatos. Seria então, o dualismo entre um reitor "corrupto" e homossexual e um distinto religioso, velhinho e já frágil de saúde (inconscientemente o eleitor se solidariza ao entrevistado) em pleno horário nobre na televisão? Esse bom velhinho esqueceu-se de enxergar que a sua própria instituição religiosa, em sua grande maioria, tem religiosos em posição semelhante ao longo de sua história e não podemos fechar os olhos pra tal fato, o questionamento deve sim, sempre existir.


            Pena que poucos estão imunes à alienação provocada pela TV! Ainda bem que existe a universidade pra combater isso! É evidente que o Reitor poderia logo no início do movimento grevista ter se afastado para não atrapalhar todas as investigações, apurações, etc. Mais pêra aí, se afastar para quem assumir? É outra interrogação que devemos fazer à final, estamos tratando da maior instituição de ensino superior do Estado de Rondônia. Mais também não devemos ser incoerentes, pois, se comprovado todas as denúncias, o reitor Januário Amaral deve ser sim, responsabilizado e penalizado pelos possíveis atos que tenha lesado a instituição de ensino em questão. Mas o que deve ser questionado aqui é: por que a principal emissora do país usa da sua audiência para atender determinadas demandas políticas de grupos que só tem o interesse de chegar ao poder? Nesse sentido, eu digo que não podemos esquecer-nos da edição do Jornal Nacional na campanha do Collor em 1989. O resultado nós o conhecemos num passado bem próximo, é só olhar para traz e fazer uma retrospectiva histórica!

31 comentários:

Adriana Zanki disse...

Engraçado, eu não achei nada de homofóbico, aliás achei bastante natural a forma como foi abordada a questão dele ter relações com um homem, chamando o namorado/marido dele de companheiro, aliás termo usado tambem para se referir a casais heterossexuais quando não são casados oficialmente. Em nenhum momento percebi exploração deste fato. Se ele é um homossexual assumido qual o problema de se referir ao companheiro dele? Mais do que natural. Assim é que deve ser aliás. Pior seria se escondessem isto. O problema não é ele ter um companheiro, é abusar do cargo para favorecer esta pessoa, independente da relação ser hetero ou homossexual.

E acho ótimo que esta greve que tem todo motivo de estar acontecendo, tenha sido mostrada no Fantástico pois costumamos ver apenas as greves de universidades do contro do país aparecerem. Pelo que sei dos desvios cometidos pelo Januário tanto na Fundação quanto na UNIR, me parece que a matéria foi bem legal com ele porque tem muito mais merda por trás disso, descupe a expressão. Inclusive professores que tiraram segundo e terceiro lugares no concurso publico e acabaram "aprovados", incluindo o companheiro do reitor.

Faltou muita coisa nesta matéria....espero que o Ministério da Educação tenha a decência de tirar este reitor imediatamente e que a Universidade seja administrada por alguem interessado na educação sem esta politicagem absurda, que se está acontecendo na Globo como o blog sugere, e é provável que sim, está acontecendo mais ainda dentro da UNIR para manter este reitor e seus desvios. Alieas politicagem suja é o que mais aocntece neste país.

Regy Alves disse...

Desculpe comentar, mas bom senso às vezes é bom, para não nos tormamos hipócritas!

Nanda disse...

Nossa não tem nada de homofóbico na matéria! Muita gente sequer entendeu que ele é homosexual (sei disso pois vi várias pessoas comentando que não entenderam), isso significa que foi abordado de forma discreta, e, não é uma questão de sexualidade é uma questão de quem é vinculado ao reitor e é beneficiado. Ou por acaso o senhor Magnifico reitor teria algum tipo de vergonha de se assumir homosexual?

Anônimo disse...

Esse pessoal não sabe o que escreve! Será que não assistiram a matéria e viu que o único processo que o reitor responde, que foi na primeira vara da fazenda pública, foi inocentado! Então, deixe de badernar e vontem a estudar!

Mari disse...

Chego a conclusão de que as pessoas só entendem aquilo que lhes e conveniente ou favorece. Parabéns, Herbert pela coragem de "meter o dedo na ferida"...
Se a matéria fosse tão isenta quanto foi explicitado, por que nao foram ouvidos os professores que nao estao em greve? Por que nao foram expostas as construções em andamento?por que nenhum diretor de campus do interior foi ouvido? Os problemas existem. Mas, todos os lados possuem "esqueletos" no armário. Bom revirar, mas nao assustar. Quando se expõem um problema e de bom alvitre ir ate o talo...

Anônimo disse...

Mas que raio de necessidade têm as pessoas de gozar com as outras para se sentirem superiores? Não acredito que faça parte da natureza humana - sou uma humanista, confesso, e continuo a acreditar em coisas tão demodès como a excelência da raça humana, a honra, a dignidade e o respeito.
Só me resta considerar, então, que este tipo de comportamento surge de uma sociedade que gerou a humilhação como forma de afirmação pública. Ocorre-me que é um comportamento muito comum nas crianças, porque ainda não conseguem discernir a importância das coisas - fazem-no porque são inconsequentes, e o tacto só advém da experiência e da maturidade. Na minha opinião, as pessoas que continuam a agir desta forma - como crianças! - ao longo da vida, têm questões para resolver consigo próprias, tão torturantes que o seu alívio passa por tentar colocar os outros no mesmo caminho... o da incerteza e da infelicidade de não saberem quem são. Tenho notado que as pessoas que mais o praticam, não são necessariamente as que têm a mais baixa autoestima, mas sim aquelas assoladas por dúvidas existênciais, por não saberem quem são.
Não sei se esta maneira de ver as coisas advém da educação que me foi fornecida ou da minha autoeducação - talvez um pouco de ambas, permeadas por uma infância e por uma adolescência em que fui muitas vezes vítima deste tipo de abuso. Custa-me muito ver pessoas que conheço a sofrerem injustamente por serem assim ou assado, por não partilharem a mesma mentalidade ou aparência da maioria, ou por simplesmente evidenciarem a sua inocência ou imaturidade.
Tudo isto para dizer, concretamente, que me mete nojo. Se pretendem apontar "falhas" ou "defeitos" aos outros, façam-no com um mínimo de decência e de uma forma construtiva. Olhem primeiro para dentro, analizem as vossas fraquezas e façam o possível para as superar - verão que é uma forma muito mais eficaz de crescer, de se conhecerem e de aprender o que é a humildade e o respeito. Porque ninguém está em posição de inferiorizar ninguém.
Ademais, como visto em outros comentários.. "apresentem pelo menos as multas de trânsito deste Reitor", denunciar é fácil, difícil será provar. Tenho dito.

Anônimo disse...

É verdade. não apareceu ninguém do outro lado. só o tal comando de greve ficou famoso, com os tais 5 minutos de fama. a rede globo bem que poderia ser menos tendenciosa.

Kátia Soares disse...

Olha, pensei que em Rondônia não existisse jornalista pensante... Parabéns, vc foi no fundo do poço e encontrou a fonte da informação.
Todos sabem que a Rede Globo manipula a seu bel prazer como lhe convém. Agora eu deixo outra pergunta: Quem será que pagou por esta matéria?SErá que a Globo saiu lá de baixo para vir aqui sem nenhum troquinho...? Eis uma questão a ser investigada. abs.

Fátima Cavalcanti Moura disse...

Bem, quanto a sua matéria é muito boa. srá que isso não significa que o lado contrário ao reitor tem perdido as rédeas e anda apelando. credo que horror. imagine a vida dessas pessoas. que triste.
boa matéria

J. Cavalcanti disse...

Parabéns pela excelente reflexão.
As pessoas precisam aprender a analisar melhor as consequências de suas ações!

Anônimo disse...

Nossa que maravilha. Parabéns à matéria. Só não vai trabalhar na globo, tá.kkkkkk

DEnise Bernardes disse...

Tenho acompanhado as fontes que comentam a greve da UNIR. alguns carros circulam pela cidade de porto velho. um dia fui abordada por uma aluna que com uma garrafinha de água quis me comprar para que eu deixasse escrever no meu carro. não topei. alguns acham quecorrupção é roubar dinheiro dos cofres públicas. mas se esquecem que jogar papel na rua, subornar o outro, correr pelas ruas de porto velho tam´bem é corrupção. não aceitei. acho que esses meninos e meninas deveriam voltar as aulas para aprenderem como se ganha a vida. estudar em uma universidade pública sem pagar e não estudar, tb é corrupção. dinheiro público sendo jogado no ralo.

Anônimo disse...

A matéria esta muito boa.
Fico feliz em ver que as coisas mudaram em Porto velho.
Ficar deslumbrado por ter aparecido em rede nacional com o rosto coberto para justificar invasão de prédio publico nao parece nada razoável. Vão estudar, se formar e ser reitor e façam melhor, ora...

Maria C. de Mello disse...

Muito me entristece ver a vida de um cidadão com uma história tão respeitada exposta desta forma por pessoas medíocres.
O país com certeza sabe que a Rede Globo é manipuladora, afinal foi o principal cabo eleitoral do Collor nas Eleições de 1989!!!
Manipula com esta história de Copa do Mundo, futebol, enfim em todas as áreas que pode manipular, mas é aquela questão, você tem que ter uma visão crítica da realidade e não acreditar em tudo o que assiste, te dizem ou que lê. tem que ver qual fundamentação usou para fazer aquele argumento.
Parabéns Herbert Lins

Fabiano disse...

ADRIANA - Pelo visto n entende nada das normas de concurso público, vá brigar com o presidente que sancionou 4 vagas de reserva para cada vaga disponível....

Homofobia - dizer que n viu nada de homofóbico é realmente tapar os olhos para tudo que os homossexuais tem passado - a discriminação não acontece quando vc escuta "EU ESTOU TE DESCRIMINANDO" - essas coisas sao transmitidas nas pequenas coisas!!!

Anônimo disse...

Por Zeny Rozendal

Vou ser sincera: se está ruim com Januário, tenho certeza que será ainda pior sem ele, ou seja, com esse bando de loucos pelo poder que estão por aí discriminando de forma radical muitos outros alunos que não participam do movimento.
Principalmente discriminando os alunos da geografia, pelo simples fato de serem do mesmo curso no qual o Januario é formado.
Imaginem pessoas assim, com o desenvolvimento intelectual incompleto, assumindo uma universidade. Logo logo estaria sendo fomentada entre os alunos, na Universidade Federal de Rondonia, uma nova mentalidade igual a que ocorreu na USP, na qual a proteção aos usuários de drogas é mais importante do que a segurança dos demais alunos deste referido estabelecimento de ensino.
Inversão de valores.
Não seria nenhuma surpresa, haja vista o aparente perfil mental de quem compõe o movimento.
Vamos acabar com toda essa farça e deixar de usar muitos alunos como massa de manobra para essas pessoas que estão querendo chegar ao poder e ao dinheiro a qualquer custo.
Peço ao movimento grevista que se mobilize nas proximas eleições.

Anônimo disse...

Parabéns pela lucidez na interpretação da matéria vinculada pela Globo. A UNIR vencerá.
Rosalvo

Anônimo disse...

Não sei porque explico isto, uma vez que se trata de um blog de pessoa aparentemente bem posicionada e bem informada, mas vamos lá: pretendo abaixo respostar uma das dúvidas atrozes do bloguista:
Um programa jornalístico não deve ter a intenção de ser um Programa Eleitoral. São coisas diferentes. Bem diferentes.
Se por um lado um Programa Eleitoral deve dar espaço igual a todos os concorrentes entre si, por outro, um programa jornalístico somente deve ouvir aqueles que tenham alguma coisa a dizer acerca do tema enfocado.
Chama-se foco, palavrinha muito difundida hoje em dia inclusive nos livros de autoajuda: “Tenha foco!”, dizem os acostumados com este tipo de leitura.
O jornalista Marcelo Canellas teve foco: Focou quem tinha algo a dizer sobre o tema que ele levava na pauta... e mesmo teve de editar muiiiiiiiita coisa recolhida, focalizando mais ainda: focou no tema da corrupção pela Riomar.
O tempo na TV é caríssimo! Neste programa... Vixe! Nem se fale! Cariiiiiíssimo!!
Ele porém fez o que deve fazer quem levanta tantos tantos dados contundentes e letais: Após entrevistar autoridades e agentes (o procurador do MPE, e diretores, projetistas, chefes de departamento) procurou o interessado direto indigitado por todos os lados e deu-lhe tempo para falar (não para se defender, que este não é o seu papel).
Ouviu a outra parte, o ainda reitor, naquilo que o jornalista queria saber, no seu foco.
O ainda reitor levou os seus pró-reitores à audiência marcada e mais uma ampla claque, procurou falar da greve e de que fora eleito legalmente, que a democracia é importante, da eleição do Obama, etc., mas o Canellas deixou logo logo claro: “O meu foco está na lista de acusações vertidas nos processos do MPE. Pode ser?”
Pois foi assim. Entendeu a diferença?
Agora dizer que foi tudo dito “sem fundamentação dos fatos reais”... Ah! Isso já é estupidez pura!

Anônimo disse...

Não achei a reportagem homofóbica não! Acho que o Fantástico nem entrou no mérito da questão do professor ser companheiro "homoafetivo" do reitor. A definição 'homoafetivo' sequer foi citada. A questão é que o companheiro do reitor, seja homem ou mulher (pouco importa), está envolvido numa empresa "laranja" que tem servido para desviar verbas da RIOMAR, Fundação que capta recursos da Universidade Federal de Rondônia! É ou não é? Ele não teve 80% da empresa? A empresa não está sendo investigada? Devemos omitir os fatos pela existência da relação homossexual? Não! Sou homossexual é acho esse tipo de "carta branca" uma atitude inconcebível! O reitor tem todo o direito de ter uma vida íntima com quem achar melhor, não é da conta de ninguém. Mas, como homem público e gestor federal, ele tem o DIREITO e DEVER de responder pelos seus atos. Se os mesmos envolvem desvio de dinheiro por meio de uma empresa na qual seu companheiro(a) está envolvido, que seja investigado. Só pela apuração dos fatos e pela luta por uma gestão digna é que a UNIR deixará de ser uma "universidade interiorizada, que vem sendo sucateada por um governo Neoliberal disfarçado de socialista", não é?
Será que esse comentário vai aparecer??? Olá mediador, seja democrático!

Anônimo disse...

Há vários erros de português nesse texto. Este seria melhor aceito se não houvesse essas falhas, ou seja, se o cidadão que o produziu soubesse bem as regras da gramática brasileira, poderia-se considerá-lo um professor...

Anônimo disse...

E se fosse uma mulher que o Januario estivesse beneficiando com recursos da maquina publica o seu discurso seria o mesmo? Seria heterofobia? Quer dizer que se for uma relação homossexual a mídia deve omitir mas se for heterossexual deve divulgar? A unica homofobia que estou vendo aqui é por parte do senhor, aliás esse seu texto que é uma apologia, mas uma APOLOGIA A CORRUPÇÃO!

Anônimo disse...

Não encontrei homofobia na reportagem do Canellas. Ele perguntou sobre o envolvimento de seu companheiro Delani na Empresa de Fantasia (Razão Social: TECSOL) do Senhor Reitor.
Januário por sua vez deu um tiro no próprio pé, ao revelar que ele abrira outra Empresa. A pergunta que fica Sr. Herbert é a seguinte: Como um professor "laranja" que foi "aprovado" num concurso armado em Guajará Mirim, segundo Dossiê das Coincidências? E que apesar de ser mais um peso nas costas do contribuinte a viajar em lua-de-mel pela Europa com o Reitor com dinheiro público abre uma outra Empresa?
Ah! Senhor Herbert Lins, ou o senhor é ingênuo ou é cínico? E cá para nós, nenhuma destas coisas combina bem com alguém que resolve dar sua opinião em público, tome cuidado com o que fala!
E para a galera Anônima do REitor que postou aí em cima, a coisa não vai ser fácil, mas a verdade sempre vem à tona... mais cedo ou mais tarde. Aguardem e verão (amazônico). João Sperandio.

Anônimo disse...

Buemba! Buemba! Cadê a quentinha? E não é a Suzane Abreu, é a da Riomar que não foi entregue. Tem professor e aluno com imnemia e passando fóme, são os novos anoréxicos, ficaram sem comer por seis meses. Rá! Rá! Rá! Rá! Rá! Rá!
Sorte que estavam no tancão das Usina e pegaram umas Traíras... É muita trairagem esse blog. Nóis morre de anusrexia, mas nóis goza!!!

Grupo ligado a reitor de Rondônia é suspeito até de forjar compra de marmitas

http://www.facebook.com/l.php?u=http%3A%2F%2Foglobo.globo.com%2Feducacao%2Fgrupo-ligado-reitor-de-rondonia-suspeito-ate-de-forjar-compra-de-marmitas-3298680&h=5AQF2pM49AQFC2WiUjMak9uUAHMiCR3PaMOoM1EIK39z0UQ

Anônimo disse...

Vixe, também não achei homofóbico. Sei não heim, até que teu texto tem alguns pontos interessantes, mas que trecho esquisito esse "Esse bom velhinho esqueceu-se de enxergar que a sua própria instituição religiosa, em sua grande maioria, tem religiosos em posição semelhante ao longo de sua história e não podemos fechar os olhos pra tal fato, o questionamento deve sim, sempre existir.".. Agora vai colocar a culpa no Dom Moacir é? Fala sério Oo' Se o Fantástico contou a história de uma forma "deturpada", você também não contou do jeitinho mais "límpido" não ;) Mas cada um tem a sua interpretação, né mesmo? Fazer oq..

Anônimo disse...

Gostaria de deixar meus parabéns aos inteligentíssimos alunos e professores que "conseguiram" derrubar (mesmo que por meios que nem eles mesmo conhecem) o reitor mais bem preparado que a UNIR já teve.

Parabéns .. vocês atrasaram a UNIR em pelo menos 15 anos.


Sr. Jornalista, parabéns pela clareza!

Liliane Amaral disse...

Denise Bernardes só abra a boca quando tiver certeza ok! vc diz que é corrupção alunos estudarem na universidade pública sem precisar pagar nada e ficam sem estudar, mas que eu saiba se é pública é direito de todos estudarem enão precisarem pagar pelo estudo, já basta o que pagamos com salas de aula sem ar condicinado, banheiros sem papel, água não tratada e muito mais.... os alunos saem de casa pegando 2 onibus chega lá não se pode nem beber uma agua tratada, quer q paguemais? vc foi infeliz no seu comentário só msm estandolá dentro pra sabera reais condições, falar pra os alunos irem estudar e deixar o movimento de lado é fácil. muito fácil, mais vai pra lá.

Anônimo disse...

SE O REITOR MAIS BEM PREPARADO QUE ESSA UNIRVERISADE TEVE A DEIXOU NESSAS CONDIÇÕES, NÃO SEI COMO ERAM OS OUTROS... NUNCA UMA GREVE NESSA UNIVERSIDADE TEVE TANTA REPERCUSSÃO E TANTO APOIO DA SOCIEDADE, ENTÃO ACHO QUE SE PRECISA REVER SEUS CONCEITOS. AFIRMO ISSO POIS VI COM MEUS OLHOS PROFESSORES QUE ESTÃO LÁ DESDE QUE ESSA INSTITUIÇÃO COMEÇOU COM LÁGRIMAS NOS OLHOS AO COMENTAR O DESCASO COM A UNIR, A SITUAÇÃO QUE ESSE REITOR TRANSFORMOU ESSA UNIVERSIDADE QUE É UM SONHO PRA ESSES PROFISSIONAIS QUE ABANDONARAM SUA TERRA NATAL HÁ 30 ANOS ATRÁS PRA SE DEDICAR A CARREIRA ACADÊMICA EM RONDÔNIA. PROFESSORES ESSES QUE NUNCA ESTIVERAM ENVOLVIDOS EM QUALQUER GRUPO POLITICO NA UNIR. QUANTO A REPORTAGEM CARO SR. ELA NÃO FOI HOMOFÓBICA, SE JANUÁRIO BENEFICOU SEU COMPANHEIRO DANIEL DELANI, MUITO JUSTO QUE A MATÉRIA CITASSE ISSO, DO MESMO MODO QUE CITARIA CASO JANUÁRIO FOSSE HETEROSSEXUAL E BENEFICASSE SUA ESPOSA, NÃO É VERDADE? PRA MIM QUEM QUER POLEMIZAR COM A SITUAÇÃO É O SENHOR, COM UM ARGUMENTO SEM SENTIDO E APELATIVO AO JULGAR A MATÉRIA COMO HOMOFÓBICA, A HOMOFOBIA ESTÁ NA SUA CABEÇA AO INTERPRETAR ASSIM.

VIVA RONDÔNIA, VIVA O DECLÍNIO DA CORRUPÇÃO, ADEUS VALTER ARAÚJO, ADEUS JANUÁRIO AMARAL.

Anônimo disse...

SE O REITOR MAIS BEM PREPARADO QUE ESSA UNIRVERISADE TEVE A DEIXOU NESSAS CONDIÇÕES, NÃO SEI COMO ERAM OS OUTROS... NUNCA UMA GREVE NESSA UNIVERSIDADE TEVE TANTA REPERCUSSÃO E TANTO APOIO DA SOCIEDADE, ENTÃO ACHO QUE SE PRECISA REVER SEUS CONCEITOS. AFIRMO ISSO POIS VI COM MEUS OLHOS PROFESSORES QUE ESTÃO LÁ DESDE QUE ESSA INSTITUIÇÃO COMEÇOU COM LÁGRIMAS NOS OLHOS AO COMENTAR O DESCASO COM A UNIR, A SITUAÇÃO QUE ESSE REITOR TRANSFORMOU ESSA UNIVERSIDADE QUE É UM SONHO PRA ESSES PROFISSIONAIS QUE ABANDONARAM SUA TERRA NATAL HÁ 30 ANOS ATRÁS PRA SE DEDICAR A CARREIRA ACADÊMICA EM RONDÔNIA. PROFESSORES ESSES QUE NUNCA ESTIVERAM ENVOLVIDOS EM QUALQUER GRUPO POLITICO NA UNIR. QUANTO A REPORTAGEM CARO SR. ELA NÃO FOI HOMOFÓBICA, SE JANUÁRIO BENEFICOU SEU COMPANHEIRO DANIEL DELANI, MUITO JUSTO QUE A MATÉRIA CITASSE ISSO, DO MESMO MODO QUE CITARIA CASO JANUÁRIO FOSSE HETEROSSEXUAL E BENEFICASSE SUA ESPOSA, NÃO É VERDADE? PRA MIM QUEM QUER POLEMIZAR COM A SITUAÇÃO É O SENHOR, COM UM ARGUMENTO SEM SENTIDO E APELATIVO AO JULGAR A MATÉRIA COMO HOMOFÓBICA, A HOMOFOBIA ESTÁ NA SUA CABEÇA AO INTERPRETAR ASSIM.

VIVA RONDÔNIA, VIVA O DECLÍNIO DA CORRUPÇÃO, ADEUS VALTER ARAÚJO, ADEUS JANUÁRIO AMARAL.

Anônimo disse...

SE O REITOR MAIS BEM PREPARADO QUE ESSA UNIRVERISADE TEVE A DEIXOU NESSAS CONDIÇÕES, NÃO SEI COMO ERAM OS OUTROS... NUNCA UMA GREVE NESSA UNIVERSIDADE TEVE TANTA REPERCUSSÃO E TANTO APOIO DA SOCIEDADE, ENTÃO ACHO QUE SE PRECISA REVER SEUS CONCEITOS. AFIRMO ISSO POIS VI COM MEUS OLHOS PROFESSORES QUE ESTÃO LÁ DESDE QUE ESSA INSTITUIÇÃO COMEÇOU COM LÁGRIMAS NOS OLHOS AO COMENTAR O DESCASO COM A UNIR, A SITUAÇÃO QUE ESSE REITOR TRANSFORMOU ESSA UNIVERSIDADE QUE É UM SONHO PRA ESSES PROFISSIONAIS QUE ABANDONARAM SUA TERRA NATAL HÁ 30 ANOS ATRÁS PRA SE DEDICAR A CARREIRA ACADÊMICA EM RONDÔNIA. PROFESSORES ESSES QUE NUNCA ESTIVERAM ENVOLVIDOS EM QUALQUER GRUPO POLITICO NA UNIR. QUANTO A REPORTAGEM CARO SR. ELA NÃO FOI HOMOFÓBICA, SE JANUÁRIO BENEFICOU SEU COMPANHEIRO DANIEL DELANI, MUITO JUSTO QUE A MATÉRIA CITASSE ISSO, DO MESMO MODO QUE CITARIA CASO JANUÁRIO FOSSE HETEROSSEXUAL E BENEFICASSE SUA ESPOSA, NÃO É VERDADE? PRA MIM QUEM QUER POLEMIZAR COM A SITUAÇÃO É O SENHOR, COM UM ARGUMENTO SEM SENTIDO E APELATIVO AO JULGAR A MATÉRIA COMO HOMOFÓBICA, A HOMOFOBIA ESTÁ NA SUA CABEÇA AO INTERPRETAR ASSIM.

VIVA RONDÔNIA, VIVA O DECLÍNIO DA CORRUPÇÃO, ADEUS VALTER ARAÚJO, ADEUS JANUÁRIO AMARAL.

Anônimo disse...

NÃO HAVIA NECESSIDADE DE ENTREVISTAR OS OUTROS PROFESSORES, O FOCO DA MATÉRIA ERA A PRECARIEDADE QUE É A UNIR E A CORRUPÇÃO NA RIOMAR. OUVIR OS DOIS LADOS?? ISSO FOI FEITO COM O PRINCIPAL INTERESSADO, JANUÁRIO TEVE A OPORTUNIDADE MAS NÃO CONSEGUIU. GAGUEJOU, NÃO OLHOU PARA O REPÓRTER E NEM PARA A CÂMERA, SINAIS CLARO DE QUE NEM O PRÓPRIO CONSEGUIA MAIS SUSTENTAR SUA MENTIRA, É MEUS AMIGOS, A CORRUPÇÃO PESA QUANDO SE VIRA MOTIVO DE VERGONHA NACIONAL.

O BRASIL JÁ ESTÁ CANSANDO DOS CORRUPTOS E HOJE RONDÔNIA PODE SE ORGULHAR DESSES MENINOS QUE ESTÃO NA UNIR, CONSEGUIRAM UM FEITO INÉDITO. SE TIVESSEM MAIS ASSIM EM NOSSO ESTADO O MESMO FARIAMOS COM A PREFEITURA E CAMARA. ORGULHO!

Bia Rodrigues disse...

O ex-Reitor e seus aliados tentam jogar as atenções e as culpas para outros olhos. É importante lembrar a atuação do Dom Moacir como líder da Igreja Católica local, sempre presente e ativo nas questões políticas. Lembramos de Hildebrando Pascoal (do acre, o que mandava matar com a cerra elétrica), onde Dom Moacir, bispo da região na época, foi uma das principais testemunhas que levou a prisão do fazendeiro. Durante o inquérito, sofreu ameaças de morte. Em Rondônia, sempre mostrou sua indignação com a presença de Governantes como Ivo Cassol (nas questões dos diamantes). Acho q a Igreja Católica não tem que se fechar para os acontecimentos do mundo, deve sim se pronunciar contra as injustiças, e como ele disse na entrevista do fantástico: Se são inocentes, não precisam ter medo. Falei isso tudo pra dizer que atacar Dom Moacir ou a Igreja Católica só piora sua situação JANU! O Dom tem um lindo histórico de lutas contra a corrupção e vc quer que no seu caso ele fique calado??? Como o Estevão disse... atacar estudantes, professores, técnicos e religiosos não fará você menos culpado, pelo contrário...só tá piorando sua situação! Pra mim, tão importante quanto a sua saída, é a conclusão das apurações dessas denuncias! Que não sejam compradas ou se percam durante os anos, mas que se faça a justiça! Achar que uma greve de 70 dias e uma ocupação de estudantes de 2 meses não chama a atenção do Brasil e de emissoras de TV nacionais, é achar que tudo sempre termina em pizza e que não somos importantes para o resto do país.