quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Sentimentos territoriais com Chico Pinto

Chico da Hora, filho de Chico Pinto


            Nas minhas andanças para pedir votos, me permite fazer novas amizades e conhecer um pouco da história de Nova Mamoré, lugar que chamo de meu aconchego. Desse modo, decidi começar a relatar minhas prosas e rodas de conversas.
            Na manhã de hoje (19/09), conheci o senhor Francisco da Silva Pinto, mais conhecido como Chico da horta. Por sua vez, filho do primeiro prefeito de Nova Mamoré, Francisco Fernandes Pinto, chamado popularmente de Chico Pinto na época.
            Nomeado como prefeito interventor pelo governador Jerônimo Santana, Chico Pinto, foi o grande responsável pela instalação político - administrava de Nova Mamoré, quando emancipada a categoria de município – unidade administrativa do estado de Rondônia. Entretanto, é um personagem ilustre esquecido pela história. Inclusive, seu retrato oficial que deveria está no paço municipal, não foi para o lixo porque foi recolhido por seus familiares.
            Durante a prosa, seu Chico da Horta foi tomado pelas lembranças do cotidiano na Vila Murtinho, lembrou, que quando criança corria atrás do trem junto outras crianças, “era uma festa”. Carregado de sentimentos territoriais, nos contou que no ano de 1967, chegava à rodagem rasgando a floresta e no ano de 1971, presenciou o último apito do trem, “as pessoas ficaram se olhando, como se estivessem num velório se despedindo de uma familiar na hora do enterro”.
            Na ocasião que seu Chico da Horta contava os últimos momentos de despedida do trem, seus olhos se encheram de lágrimas de tantas recordações e o silêncio tomou conta da cozinha da sua casa. Quando indagado de como era o cotidiano da Estação de Trem da Vila Murtinho? Carregado de emoções, nos contou era muito movimentada, pessoas desciam e subiam no trem.
            Durante a prosa, disse que na estação do trem, existiam bancas de comida que eram vendidas aos passageiros. Além do comércio de doces, frutas, verduras, carne de caça, peles de animais, castanha do Brasil e a borracha, principalmente, as mercadorias provenientes da Bolívia.
            No final da nossa prosa, o ex-morador da Vila Murtinho, afirmou que não deveriam ter parado o trem e nem deixar a estrada de ferro abandonada. “Os trens antigos poderiam ter sido substituídos por novas locomotivas. O que acabou foi à borracha e não os trilhos de ferro. A estrada de ferro poderia está servindo para fazer o transporte de outras mercadorias e de pessoas como antigamente”.
            Ainda conversando sobre as lembranças da Vila Murtinho, Chico da Horta lembrou que tinha muito peixe no rio e carne de caça. Mas por conta do desmatamento, a caça sumiu. Em relação ao peixe, não soube afirmar porque diminuiu sua presença no rio.

terça-feira, 21 de agosto de 2018

Leite é servido na merenda escolar no Japão



         Aprendemos na Escola que o leite é uma grande fonte cálcio e potássio para o ser humano. Dessa forma, o consumo deste alimento é essencial para a saúde dos ossos e dentes, além de prevenir a osteoporose em idosos. A bebida láctea pode contribuir para a perda de peso e ainda prevenir o diabetes tipo 2.
            Desse modo, servir leite na merenda escolar é a melhor maneira de fazer com que as crianças recebam cálcio, que é essencial para o crescimento. Para presente reflexão, pegamos como exemplo o Japão, país que serve diariamente 200 ml de leite em caixinha longa vida na merenda escolar.
            Por sua vez, o leite foi introduzido na merenda escolar nas Escolas japonesas em uma época em que muitas crianças estavam desnutridas, como forma de compensar a desnutrição devido à escassez de alimentos após a Segunda Guerra Mundial.
            No pós-guerra, o Japão servia na merenda escolar, pão e leite em pó – doado por outros países, diluído em água morna. Por conseguinte, 1960 e 1970, o leite em pó foi substituído por leite regular, ou seja, em garrafinhas e atualmente, nas embalagens longa vida.
            Servir leite na merenda escolar no Brasil em caixinhas longa vida, possibilita fomentar os arranjos produtivos locais em torno da pecuária leiteira, consequentemente, aumenta a renda do produtor rural. Além de ajudar no combate a subnutrição, permitindo que a criança melhore suas habilidades cognitivas, contribuindo para o aumento do potencial de aprendizado e de desempenho escolar.

sábado, 18 de agosto de 2018

Carta Aberta aos Amigos e Amigas de Nova Mamoré



Nova Mamoré, 18 agosto de 2018

MEUS AMIGOS,
MINHAS AMIGAS,

         Permita-me invocar um testemunho sincero antes de convidá-lo a uma reflexão maior.
         Desde que cheguei a Rondônia, em especial Nova Mamoré, mantive a disposição de servir com determinação e ousadia o município e o estado que me acolheu. Procurei a cada dia da minha vida, seja como professor ou ocupando funções públicas passageiras,contribuir com boas ideias para o progresso e desenvolvimento socioeconômico das pessoas.
         Como amigo de Jair Montes de longas datas, acompanho sua trajetória de vida e posso assegurar que é um ser humano cristão dedicado a família, a sua fidelidade partidária, o zelo com o cargo público que o povo lhe confiou através do voto livre por duas vezes e por possuir um grande espírito público, me motivou a refletir a apoiá-lo para deputado estadual.
         Com Jair Montes, compartilhei ideias e projetos que de sonhos à realidade, resultaram na melhoria na qualidade de vida de muita gente do município de Porto Velho, nossa capital. Por sua vez, acredito que o voto é a maior expressão social da liberdade do ser humano e posso afirmar que é um dos principais pilares da democracia, especialmente na valorização da ação política e das instituições representativas.
         Reconheço que estamos numa eleição atípica, o descrédito com o político e os assassinatos de reputação, gera a desconfiança no cidadão eleitor, sem saber em quem votar, sem saber em quem acreditar. Contudo, temos que continuar acreditando na tomada de consciência e na democracia. Além de contribuir para evolução humana e cidadã da nossa sociedade brasileira.
         Nesse limiar, para decidir apoiar Jair Montes, fizemos um compromisso de trabalho com cinco pilares: 1) Destinar emendas para construção de pontes, bueiros e recuperação das estradas na zona rural; 2) Revisar o Plano de Cargo Carreira e Salário dos Professores, Médicos, Enfermeiros, Policiais Civis, Militares e Bombeiros, e de Agentes Penitenciários – tabela de progressão, pós-graduação e gratificação de difícil acesso; 3) Fiscalizar a aplicabilidade dos recursos do transporte escolar – convênios entre estado e municípios rondonienses; 4) Criação da Universidade Estadual de Rondônia com campus nos municípios de Porto Velho – Reitoria, Candeias do Jamari, Nova Mamoré, Machadinho do Oeste, Cerejeiras e São Miguel do Guaporé; 5) Trazer de volta os vigilantes as nossas Escolas públicas estaduais.
         Por tudo isso, querendo ações concretas para o nosso município de Nova Mamoré, em especial, para aqueles que mais precisam de atenção do poder público e das ações pró-ativas em favor do desenvolvimento socioeconômico sustentável local por meio de políticas territoriais concretas, estou chegando até você, MEU AMIGO, MINHA AMIGA, pedir a confiança do seu voto para o meu CANIDATO A DEPUTADO ESTADUAL JAIR MONTES – 36036.

         É UM VOTO DE CONFIANÇA!
         SIGNIFICA A FORÇA DE UM COMPROMISSO!
         PORQUE O HOMEM TEM PALAVRA!