domingo, 12 de janeiro de 2014

A doce felicidade


            Venho a meses me propondo retornar a escrever. Mas logo me perguntava o que escrever? Que desejo latente para brincar com as letras? Saberei novamente empregar as palavras? Contextualizar meus pensamentos?  Serei preciso na construção dos parágrafos? Que linha devo seguir?
            Deixarei novamente o tempo responder por mim, gosto de ser blogueiro e de me arriscar na nossa língua materna, tão cheia de regras e regrinhas. Mas vamos deixar de arrodear! Pois bem, fui buscar nas palavra doce e felicidade a inspiração para tentar construir uma resposta sobre nossos anseios e desejos para se obter a doce felicidade que tanto almejamos em nossas vidas.
            Não posso negar que o medo ainda repousava sobre meu espírito para voltar a escrever. Fiquei divagando sobre ideias, possíveis temas e pensamentos que me fizesse sair da caverna e me levasse novamente a luz, então veio a tona a docilidade e consequentemente, a felicidade como temas.
            Quanto as minhas divagações, passei uma olhar sobre a minha linha do tempo e comecei a me perguntar quantas vezes pude ser feliz? Logo surgiu perguntas se é possível sermos felizes? Se existe a felicidade? Como podemos ser felizes? Como atingir a felicidade? Como se tornar uma pessoa feliz? A construção desse sentimento de bem estar e contentamento é solitária ou coletiva? Se esse momento é durável ou é apenas uma sensação passageira de realização e satisfação?
            Digo que ainda não tive a oportunidade de ler a Carta sobre a Felicidade do filósofo Epicuro, apenas algo superficial ao navegar nas redes virtuais. Mas logo que me sobre tempo, desejo buscar nele reflexões sobre o tema que me propus discorrer. Acredito eu, que o sentimento de felicidade seja talvez o mais nobre entre todos os anseios e desejos que todos os seres humanos desejam atingir, ou seja, provar dessa sensação doce da vida.
            Sendo mais complexo para uns e menos para outros, o tema felicidade será tratado a partir dos meus olhares empíricos, das minhas próprias reflexões, das minhas investigações sobre as emoções que leva a um sentimentos de prazer e realização plena. Mesmo sendo difícil de definir a felicidade como um todo, a abordagem proposta se dará com base nas escolhas que fazemos em nossas vidas. Assim, os gestos, atitudes e comportamento mediante o estilo de vida adotado, bem como, o reconhecimento de nossas possíveis fraquezas, muito servirá para esse novo desafio proposto.

2 comentários:

Lucas Tomazini disse...

Bom dia meu querido prof. lindo o seu tema DOCE FELICIDADE, continue sendo esse excelente profissional, mas por favor cai fora da politica, o SR, não mereçe estar envolvido com esse pessoal, super abração.
Luiz Tomazini

HERBERT LINS disse...

Valeu pelo comentário Amigo Velho!